Heathcliff

Personagem masculino central da trama, amor de Catherine e também o anti-herói da história, Heathcliff é frequentemente considerado como um arquétipo do torturado romântico herói byroniano cuja raiva, ciúme e intensidade da paixão consome e destrói a si mesmo e a todos a sua volta.

Descrito como tendo o aspecto de um “cigano de pele escura”, Heathcliff foi encontrado ainda criança nas ruas de Liverpool e, presumivelmente órfão, foi levado para o Morro dos Ventos Uivantes pelo Sr. Earnshaw e relutantemente recebido pelo resto da família. Em especial pelo seu filho Hindley. Porém Catherine, irmã de Hindley, logo se afeiçoa a Heathcliff e o amor dos dois se torna o tema central do primeiro volume da obra, enquanto a sua vingança e suas consequências são o tema do segundo.

Heathcliff pode ser visto como um reflexo do seu passado psicológico: o abuso, a negligência e o desprezo daqueles com quem cresceu o tornaram vingativo, abusivo e escarnecedor. Ele é mais associado ao seu amor juvenil por Catherine do que por seus anos finais de vingança na segunda metade da obra, no qual ele se torna um homem amargo e atormentado embora haja uma série de incidentes no início de sua vida que mostram que ele já era uma pessoa aborrecida mal-intencionada desde o início. Sua natureza complexa, fascinante e totalmente bizarra faz dele um personagem raro e muitas vezes difícil de avaliar, com componentes mistos de herói e vilão.

Sua posição na sociedade, sem status (‘Heathcliff’ serve tanto como o seu nome, quanto como seu apelido), é muitas vezes objeto de críticas marxistas.

Personagem

Um garoto de rua descoberto nas ruas de Liverpool e criado pela família Earnshaw em Yorkshire. O passado e a infância de Heathcliff antes de sua misteriosa adoção são apenas sugeridos por Brontë. De acordo com os temas sobrenaturais presentes no romance, especula-se que Heathcliff poderia ser um demônio ou uma alma infernal com sua aparência fielmente lembrando um cigano.

Uma criança silenciosa e solitária, Heathcliff é inicialmente rejeitado tanto por Catherine Earnshaw quanto por seu irmão mais velho, Hindley; enquanto Catherine posteriormente se torna amiga e amor de Heathcliff, Hindley continua a ressentir-se dele, vendo-o como um intruso que roubou o afeto do seu pai. Após a morte do Sr. Earnshaw e sua herança da sua propriedade, o rancoroso Hindley passa a tratar Heathcliff como pouco mais que um criado e assim o faz trabalhar nos campos, o que cria raiva e ressentimento por toda a vida de Heathcliff. Apesar disso, Catherine permanece perto de seu irmão adotivo.

No entanto, durante o passar dos anos, Catherine se aproxima de Edgar Linton, um jovem tímido e bem-educado da propriedade vizinha, Thrushcross Grange, que lhe pede em casamento. Ela aceita, mas insiste que seu verdadeiro e único amor é Heathcliff. Ela alega que não pode se casar com ele porque ele “iria degradá-la” e que os dois seriam mendigos se a união ocorresse. Ela declara sua paixão por ele em várias frases como “seja qual for a matéria de que as nossas almas são feitas, a minha e a dele são iguais”, e a famosa frase “eu sou Heathcliff”. Heathcliff deixa O Morro dos Ventos Uivantes amargurado ao ouvir secretamente Catherine dizer que iria se casar com Linton em vez de casar-se com ele e que apesar de partir o coração de Heathcliff, isso faria sua fortuna.

Heathcliff desaparece por três anos até retornar como um homem rico e diferente. Nenhuma sugestão é dada sobre onde Heathcliff estava e como ele fez sua fortuna ao longo de sua ausência de três anos. Ao retornar, ele está implacavelmente determinado a destruir aqueles que o prejudicaram e impedi Linton de ficar com Catherine, estabelecendo seu status de anti-herói em vez de herói romântico. Ele não apenas engana Hindley, que caiu no alcoolismo e no jogo depois da morte de sua esposa, Frances, tomando a propriedade do Morro dos Ventos Uivantes como também tira proveito da irmã de Edgar Linton, Isabella, e se casa com ela, para depois passar a tratá-la de maneira cruel e desdenhosa. Embora ele diga a Catherine que ele despreza Isabella e que jamais imaginasse que Catherine queria que ele se casasse com a irmã mais nova de Edgar, o casamento dele e de Isabella resultaria na herança da Granja Thrushcross. E isso só pode ser conseguido por Heathcliff forçando seu filho a se casar com a filha de Cathy, que se chama Catherine.

Após a morte de Catherine Earnshaw, a crueldade vingativa de Heathcliff se intensifica, visando destruir não apenas seus inimigos, mas também seus herdeiros – Hareton, filho de Hindley e Frances Earnshaw, e Catherine, filha de Edgar Linton e Cathy. Heathcliff força seu filho doente, Linton, que se parece inteiramente com sua mãe, Isabella, a se casar com Catherine Linton, filha de Cathy e Edgar, em uma tentativa de ganhar o controle da Thrushcross Grange . Pouco depois que os dois se casam, quase sem amor, o insólito Linton morre, o que não foi uma surpresa para o pai ou para a viúva. Heathcliff trata Catherine com relativa misericórdia, transformando-a em uma criatura fria e distante, longe da brilhante e animada garota que costumava ser. Hareton e Catherine acabam se apaixonando, no entanto, e seu relacionamento, de certa forma, espelha e opõe-se àquele entre Heathcliff e a mãe, Catherine. Sua união quebra o ciclo de ódio no Morro dos Ventos Uivantes e Heathcliff não se importa mais em continuar sua vingança. Hareton, lembrando muito a sua tia Catherine Earnshaw, cria uma sensação de intranquilidade para Heathcliff: Brontë freqüentemente sugere que ele tem uma consideração secreta por Hareton e que Hareton vê Heathcliff como seu verdadeiro pai. A obra termina com a morte de Heathcliff, que se tornou um homem atormentado, assombrado pelo fantasma de Catherine, ao lado de quem ele pede para ser enterrado. Seu cadáver é inicialmente encontrado por Nelly Dean em seu quarto. Heathcliff fica inquieto até o final do romance e pára de comer. Nelly Dean não acredita que ele tenha a intenção de cometer suicídio, mas que sua fome pode ter sido a causa de sua morte. Ele queria estar com Cathy na vida eterna.

A sugestão é que Catherine, tendo anteriormente assombrado o Sr. Lockwood em sua janela no início da obra, fez uma visita semelhante a Heathcliff, levando-o para longe com ela para que possam estar juntos além do túmulo, que era o desejo de Heathcliff. Nelly relata sua revelação reveladora:

No final do romance, um servo diz a Nelly que viu os fantasmas de Heathcliff e Catherine caminhando juntos, embora Nelly e Lockwood insistam que devem ser tratados como se suas almas estivessem em paz. O romance fecha com Lockwood vagando por seus túmulos pensando “como alguém poderia imaginar um sono inquieto para os adormecidos naquela terra silenciosa”

Como Charlotte Brontë , irmã mais velha de Emily, escreveu: “Heathcliff, em ação, não é resgatado”, o que aumenta a incerteza sobre se ele não apenas se arrependeu de seus pecados, mas era na verdade um verdadeiro ser humano; já que a visão de Lockwood de Catherine na janela foi precedida por um sonho de um sermão de fogo e enxofre em uma igreja, é possível que tanto Heathcliff quanto Catherine estejam condenados. A própria Catherine expressa dúvidas sobre se ela poderia ser admitida no céu. O destino incerto da alma de Heathcliff, combinado com o mistério que o personagem de Heathcliff deixa para trás, termina o romance de uma maneira hipnotizante e misteriosa, justificando o status duradouro de Heathcliff como um anti-herói da literatura.

Informações do Personagem

  • Nome: Heathcliff
  • Data de nascimento: Por volta de 1764
  • Local de nascimento: Desconhecido (encontrado morando em Liverpool), passando fome e sem moradia.
  • Aparência física: Grosseiro, de sobrancelhas baixas, cabelos pretos e bigodes. Atlético.
  • Cônjuge: Isabella Linton, em fevereiro 1784
  • Filhos: Linton Heathcliff, nascido 1784
  • Pais: Desconhecido
  • Irmãos: Desconhecido
  • Data de falecimento: abril de 1802 (com cerca de 37 anos)
  • Local do falecimento: O Morro dos Ventos Uivantes
  • Resumo: Personagem central da trama, amor de Catherine e também o anti-herói da história.

Interpretações no cinema e na TV

  • Laurence Olivier | Cinema (1939)
  • Ian McShane | Cinema (1967)
  • Timothy Dalton | Cinema (1970)
  • Ken Hutchison | TV (1978)
  • Ralph Fiennes | Cinema (1992)
  • Robert Cavanah | TV (1998)
  • Tom Hardy | TV (2009)
  • James Howson | Cinema (2011)

Na cultura popular

  • “Wuthering Heights”, um single do álbum de estréia de Kate Bush em 1978, The Kick Inside, é contado a partir da perspectiva de uma fantasmagórica Catherine Earnshaw visitando um velho Heathcliff.
  • O ator australiano Heath Ledger e sua irmã receberam o nome de Heathcliff e Catherine Earnshaw.
  • Em julho de 2008, o então primeiro-ministro britânico, Gordon Brown , comparou-se ao personagem, dizendo que ele era “Talvez um Heathcliff mais velho, um Heathcliff mais sábio”.
  • Heathcliff também é mencionado na música de Michael Penn “No Myth”: “E se eu fosse Romeu de jeans preto? E se eu fosse Heathcliff, não é mito”.
  • A faixa de abertura do décimo primeiro álbum de estúdio da banda de hard rock melódico do Reino Unido, Albion , “Alone in the Dark”, baseia-se nas lutas internas de Heathcliff, descritas em ‘Wuthering Heights’.
  • Na primeira temporada do Sword Art Online , o nome do sistema do principal antagonista é “Heathcliff”. Este nome é apropriado porque a sua obsessão pelo seu trabalho levou-o a fazer coisas terríveis.